NOTÍCIAS

FOHB discute as tendências do turismo pós-vacina

O FOHB – Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil, realizou na manhã dessa quarta-feira (26), em parceria com a Mapie, Phocuswright e a plataforma Mercado & Consumo, o webinar “Bleisure, nomadismo digital e viagens revanche: você está preparado para o turismo pós-vacina?”. O encontro contou com a participação do presidente executivo do FOHB, Orlando de Souza; a fundadora e sócia-diretora da Mapie, Carol Haro; André Sena, chief digital officer da Accor e Daniel Pereira, gerente da Equipotel. A mediação ficou por conta de Aiana Freitas, editora-chefe da Mercado&Consumo.

O Evento faz parte do ciclo de debates “Trilhas de Conhecimento” a ser realizada mensalmente ao longo de 2021 até novembro, quando a jornada termina em um evento híbrido no hotel Transamérica São Paulo em 18 de novembro.

Dando início ao debate, a fundadora e sócia-diretora da Mapie, Carol Haro, explicou que todas as tendências apresentadas durante o webinar, já estavam em curso e apenas foram aceleradas pela pandemia. “Nesse contexto de insegurança, ansiedade e não linearidade que a Covid-19 evidenciou. Temos que entender que esse quadro vai perdurar. Dessa forma precisamos nos adaptar a este novo mundo”.  Uma dessas adaptações é a presença do online no turismo, de acordo com dados da Phocuswrith, em 2019, 43% das vendas de viagens foram feitos de forma digital, sendo o volume total de vendas em R$ 19,1 bilhões. Já em 2020, as vendas de forma digital subiram para 44%, por outro lado, o volume total de vendas caiu 67%. 

Em relação ao bleisure, a pesquisa Insights para o Turismo, publicada no final de 2020 pelo TRVL Lab, afirma que  38,5% dos brasileiros viajaram  a lazer desde o começo da pandemia contra 11,96% das viagens a negócios. Semelhantemente,  96,03% dos brasileiros gostam de viajar  a trabalho para conhecer novos lugares e aproveitar do destino. Porém, 85,43% sentem saudades da família. “O bleisure é uma das grandes tendências que o mercado hoteleiro está presenciando, pois une viagens a lazer e de negócios,  conseguindo aliar qualidade de vida, saúde, segurança e infraestrutura para receber quem está a trabalho e suas respectivas famílias,” comenta André Siena.

O segundo ponto evidenciado no debate é o nomadismo digital. “Pelas restrições impostas durante a pandemia, empresas e colabores, rapidamente transformaram a forma de trabalhar,” diz Carol Haro, acrescentando que outras formas de trabalho além do home office e das jornadas de trabalho mais flexíveis estão aumentando essa demanda. Entre elas estão o anywhere office, a procura por cidades do interior, o aumento dos trabalhos freelancers e os espaços de trabalho pensados na integração e colaboração. Nesse sentido, dados colhidos pela Mapie apontam que 73,68% das empresas continuaram a adotar algum modelo de home-office mesmo no pós-vacina, ou seja, a hotelaria necessita oferecer uma estrutura adequada para trabalhar com qualidade de vida.

Apesar do Brasil receber uma nota de 4.3 de 5 na avaliação da Digital Nomad Hub dos estrangeiros que desejam trabalhar remotamente, enquanto aproveitam para conhecer e visitar o país, os convidados apontam que o Brasil ainda tem desafios a vencer no nomadismo digital. O principal desafio é a falta de profissionais que falam o inglês, seguido pela burocracia para a permanência dos turistas; e por fim a falta estrutura tanto de tecnologia quanto de locomoção. “ O país ainda depende muito do transporte aéreo e deslocar-se dentro do país pelas rodovias e estradas ainda é muito difícil ”  expõe Orlando de Souza.

Um fator relevante demonstrado no evento, é que após um ano de pandemia, o desejo de viajar aumentou. O brasileiro é apaixonado por viagens,  e a pesquisa da TRVL Lab 2020, demonstra que 90% afirmam gostar muito da oportunidade de viajar e conhecer novos lugares e 80,08% sentem-se mais felizes que o habitual durante as viagens. Além disso, segundo a pesquisa Pulso Turismo Covid-19, também do TRVL Lab, recém-publicada, 47,49% dos brasileiros têm alta probabilidade de fazer uma viagem a lazer nos 6 meses após receberem as vacinas. Para as viagens de negócios, esta probabilidade é de 33,23% no mesmo período. Ainda de acordo com o documento, os destinos mais desejados pelos brasileiros na retomada são a região Nordeste, as praias também entram no ranking e como destino internacional, a Europa. “ Conhecer as tendências, as renovações e principalmente o cliente e seus desejos é o caminho para se adaptar e aproveitar esse momento mantendo os recursos”, destaca Carol Haro. “ É necessário nos preparamos para esse momento garantindo segurança e eficiência para os clientes, sem deixar promover experiências e um bom aproveitamento das viagens”, completa André Sena.

A última questão destacada foi a vacinação em massa. “ O que está faltando no país é a vacina, só assim o turismo irá se  recuperar. Além de que devemos ter uma união para cobrar isso”, finaliza Carol Haro.

Orlando de Souza, encerrou o evento agradecendo a todos os convidados, patrocinadores, mantenedores e parceiros e conclui: “ Todos que acompanham e acreditam no trabalho do FOHB, nos ajudam a seguir em frente e se empenhar para trazer conteúdos inéditos e bem elaborados para o mercado”.

Saiba mais

A segunda edição do “Trilhas de Conhecimento” reuniu mais de 2100 espectadores, em plataforma online. A iniciativa tem como objetivo fornecer conteúdos inéditos e atuais para líderes e colaboradores da indústria hoteleira.O próximo debate online ocorre no dia 30 de junho de 2021.
O evento contou com o apoio dos mantenedores: Grupo R1, Elo, CVC Corp, Equipotel, Omnibees e Vega IT. Dos patrocinadores: CNC, Novotel Morumbi (que cedeu o espaço no qual ocorreu a transmissão do debate) e RCI e dos apoiadores ABIH, Adibra, BLTA, FBHA, Resorts Brasil, Sindepat e Unedestinos. Além da  parceria com a Mapie, Phocuswright e a Mercado & Consumo.

Para assistir o webinar clique aqui: https://youtu.be/LeXN7DZgwBs